03 setembro, 2012

Do disparate à desculpabilização

O governo continua alarvemente a utilizar uma cassete estafada copiando assim o partido de paredes de vidro, e dando a entender que tudo está bem!
No encerramento da pomposamente chamada universidade de verão, que apenas é um tipo de escolinha do tio Marcelo, PPC volta a meter água quando afirma que tudo corre sobre esferas, deitando para baixo do tapete o valor do défice, que não cumpre, o aumento da dívida, que afirmou ir pagar e fazer desaparecer, o aumento da desigualdade social, que se pretendia reduzir, o ensino profissional, que passa de opção a castigo, o aumento do desemprego, que iria diminuir, a destruição da economia e do aparelho produtivo, que ia promover, a ineficácia da justiça, que ia tornal célere, o fim do compadrio, que prometeu acabar, afirmando que ir além da troika foi a melhor coisa que o programa de governo consagrou!
Do outro lado, o inquilino de Belém, tenta desculpar o governo que ajudou a chegar ao poder atirando as culpas do desatino que corre célere por este país para cima da troika, como se o governo não tivesse responsabilidade nas negociações que entretanto já fez, pois como todos muito bem sabemos, a troika pode pedir ou sugerir, mas não pode decidir, e o presidente esquece-se deliberadamente disso, ao ponto de ser recordado do facto pelo representante da CE na troika.

2 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Hoje o Aníbal deve estar um bocadito acabrunhado. Ou talvez não, porque vergonha é coisa que ele não tem

Teófilo M. disse...

Pois, de um lado começa a esboroar-se a coligação, por outro a "troika" já lhe começou a responder, afinal, as suas intervenções vão sendo cada vez mais desastradas e os seus silêncios cada vez vão sendo mais penosos.